CONVITE À REFORMA INTIMA

27/04/2012 06:37

 

No nosso Momento de Luz de hoje, Gregório retoma a fala para compartilhar conosco um lindo exemplo. Um convite à reforma intima a qual considera caminho que nos conduz ao adiantamento.

Temos a história do Sr. Manuel, membro da comunidade na qual está localizada A Casa do Cristo. Acompanhem esta linda história em que esse senhor permitiu-se conhecer e experimentar um novo percurso, acatando-o, em seguida, como seu direcionamento de vida.  

Um história que se direcionou ao estudo e a reflexão, permitindo o surgimento, pouco a pouco, do novo Manuel, transformando pensamentos, sentimentos e condutas.

Que sejamos capazes de trazer este ser novo para as nossas vidas.

Que tenhamos um dia de transformação plena.

Muita luz.

 

CONVITE À REFORMA INTIMA

 

Esta semana, Gregório retoma a fala para compartilhar conosco um lindo exemplo. Um convite à reforma intima a qual considera caminho que nos conduz ao adiantamento.

Sr.Manuel, membro da comunidade na qual está localizada A Casa do Cristo, permitiu-se conhecer e experimentar um novo percurso, acatando-o, em seguida, como seu direcionamento de vida.  Entregou-se ao estudo e a reflexão e foi se deixando modificar, pouco a pouco, transformando pensamentos, sentimentos e condutas. Tornou-se um novo homem, um homem melhor.

A caminhada deste amigo ressalta a fé raciocinada, inabalável, que crê no que conhece e compreende, utilizando-se da razão que questiona e busca respostas.

“A fé cega é como farol cujo vermelho clarão não pode transpassar o nevoeiro; a fé esclarecida é foco elétrico que ilumina com brilhante luz a estrada a percorrer.
Ninguém adquire essa fé sem ter passado pelas tribulações da dúvida, sem ter padecido as angústias que embaraçam o caminho dos investigadores. Muitos param em esmorecida indecisão e flutuam longo tempo entre opostas correntezas. Feliz quem crê, sabe, vê e caminha firme.” (Leon Denis, Depois da Morte, Quinta Parte, cap. 44.)

 A nova forma de vida a qual se propôs nos orienta a exercitar o amor recebido, transformando-o em ação, a prática da caridade, que beneficia ao próximo e a nós mesmos.

“Amemo-nos uns aos outros e façamos aos outros o que quereríamos que nos fosse feito”. (Irmã Rosália, Evangelho segundo Espiritismo – A Caridade Moral e a Caridade Material, 9).

 Por fim, nos faz reconhecer que a união da Fé e da caridade nos possibilita renovar o nosso ser e a seguir em frente, passo a passo, cada vez mais próximos do que, verdadeiramente, almejamos.

Triunfareis, se a caridade vos inspirar e fordes sustentados pela fé. (Um Espírito Protetor, Evangelho segundo o Espiritismo – A Fé e a caridade, 13).

Boa Reflexão,

Andréa

   

A vida na Terra não era a mesma. Muitos anos haviam se passado desde a última vez que estive vivo, encarnado, por aqui.

Lembro-me de ruas ainda não calçadas e de pessoas perambulando em seus trajes elegantes, não condizentes com o tempo quente do clima que se despontava, e outras maltrapilhas, antigos escravos, que viviam a servir.

Estas diferenças pareciam menores agora. Apesar da pobreza de certos locais, os transeuntes pareciam semelhantes, com poucas diferenças, quando juntos no meu espaço, a trafegar ligeiros em busca do pão de cada dia.

A vila de Rute era um destes lugares simples, necessitados de infraestrutura e limpeza. O lixo reunido pela população permanecia dias, e, até, meses, expostos a animais e a chuva que o varria para de volta para as casas, como se procurassem seus donos em busca de abrigo. Porém, a comunidade mostrava-se unida e feliz.

Levantavam cedo, era possível vê-los de pé, ainda ao escurecer do dia. Não porque ainda não haviam dormido, mas porque o dia se fazia antes do primeiro raiar do sol. Ouviam-se barulhos de todas as ordens: panelas, meninos a gritar por causa do banho gelado, maquinas de costura que começavam a trabalhar antes do desjejum. Com o primeiro apontar do sol, deixavam suas casas rumo às escolas, fábricas, e roças.

Roças?! Acreditem. Muitos pegavam caminhões e partiam para fazendas, não muito distantes, para realizar o plantio e a colheita. Voltavam ao entardecer. Corriam para o banho e a refeição, pois logo mais tarde reuniam-se na Casa do Cristo.

Era o point, como dizem os jovens de hoje. Sem acesso a rádio ou televisão, lá podiam confraternizar. Muitos que permaneciam, a noite toda, nos botecos a beber foram o deixando, pouco a pouco, para ir ao encontro do Cristo. Manuel, dono do armazém boteco, no início, se enfureceu. Perdia a maioria das bebidas alcóolicas que comprava. Ficavam acumuladas no estoque, o que antes vendia como “água”.

Que alegria do “destino” ao ver os homens daquele lugar trocar o álcool por água, o desânimo por esperança, o desespero pela alegria de viver. Tudo porque, agora, não estavam mais sozinhos. Estavam abençoados com a presença do Senhor que volta a lembrar-se deles, que se achavam esquecidos.

Nos tempos de folga, se reuniam para deixar o local mais bonito. Plantavam flores ao redor das casas e do salão comunitário, limpavam a rua e fizeram, até, uma barragem para o lixo que teimava procurá-los.

Mas não foi sempre assim. Brigavam dia e noite pelo espaço, pela sujeira, por motivo nenhum. Alguns já moravam lá há anos e não se conheciam, nunca haviam se falado. Eram incapazes de socorrer um que estivesse necessitado, precisando de comida, água ou afeto e/ou uma boa conversa.

Sr. Manuel, revoltado com a perda de parte de seu lucro, foi expiar seu concorrente. Chegou de mansinho, na beira da janela recém-construída, encontrou-os em silêncio, olhos fechados a rezar. Foi convidado por um que chegou atrasado, deu de ombros e saiu. Perguntava-se: O que há de especial em ficar a orar?  Um monte de beatos. Respondia a si mesmo.

No outro dia, voltou mais cedo, ficou a espreita para ver quem chegava. Chegavam sorridentes, se cumprimentavam, até se abraçavam, traziam as sobras do jantar e dividiam com os que não tinham. Formavam um grupo de conversas e, percebeu que após algumas palavras, se abraçaram e choraram juntos. O que acontece lá dentro? Estão enfeitiçados? Questionava-se.

Passou a observar a comunidade e percebeu como estavam diferentes. Pouco a pouco, foram se transformando, ele nem havia tomado pé de como o lugar estava mais agradável de viver. Amanhecia igual como todos os outros dias, porém, há algum tempo, notara que seus clientes estavam mais calmos, educados, menos briguentos. Estava acostumado a separar brigas em seu pequeno estabelecimento.

Certa vez, quebraram mercadorias, deixando um grande prejuízo. Depois deste dia, passou a atender por uma grade que ele mesmo pregou com restos de ripas de madeira. Via os vizinhos por entre gretas. Mal conversava com eles, porque o espaço ficara ainda menor e era necessário atender rápido para dar conta da fila.

Sentiu-se só, isolado. Os outros viviam juntos, mas ele se mantinha sozinho. Passou a observar as reuniões todas as noites, a soleira da janela, abaixado perto da parede, tentava escutar o que diziam. O som saia abafado, mas a sonoridade do que não compreendia ser dito lhe embalava, fazendo-o se calmar, relaxar e até dormir.

Numa destas cochiladas, despertou ao sorriso maroto das crianças maiores que frequentavam a reunião. Levantou-se de sobressalto. Sentiu-se envergonhado. Ia sair correndo, quando Rute o chamou e convidou-o a entrar.

Primeiro recusou, mas com o estímulo dos outros frequentadores resolveu aceitar o convite. Entrou timidamente e olhou aquele simples lugar pela primeira vez. Era limpo e parecia que os que lá se encontravam estavam confortáveis, pareciam felizes e satisfeitos apesar de estarem uns em pé, outros sentados no chão sobre papelão, esteiras ou sacos de verdura, ou, até mesmo, no próprio assoalho. Existiam poucas cadeiras que eram divididas e alguns bancos de madeira que acumulavam gente.

Rute o conduziu até a frente, para onde todos dirigiam as atenções. Uma pequena mesa, forrada por uma alva toalha branca, possuía uma jarra com flores e outras cinco com água. Ao lado, um pequeno livro, o qual não conhecia. Rute o fez sentar ao seu lado numa cadeira reservada para ela e picou de pé.

Fez uma prece, abriu o livro aleatoriamente e começou a ler. Sr. Manuel seguiu os presentes, fechou os olhos e se concentrou na leitura, deixando-se envolver pelas mágicas palavras, como depois as classificou. Após a leitura, discutiram o que leram, questionaram e responderam, novamente oraram e se despediram deixando o local após compartilharem de água e afetos.

Ficou impressionado. Teve medo de beber a pequena quantidade de água que o ofereciam. Será magia? Porém, confiando no olhar de Rute aceitou, bebeu e sentiu-se bem. Saiu sem dizer uma única palavra.

Demorou a dormir, refletiu sobre a noite estranha e harmoniosa que havia tido, adormeceu resolvendo retornar no outro dia. Assim, fez todos os outros dias.

Certa manhã, meses depois daquele primeiro encontro com a palavra do Cristo, seu armazém amanheceu sem grades. À tarde, foi fechado porque levou tinta e ajudou a pintar o salão. Ágil com as madeira, convidou um grupo para que, na folga do trabalho, o ajudasse a construir bancos de madeira. Deixou o salão mais bonito e, verdadeiramente, mais confortável.

Convocou a comunidade para fazer uma horta coletiva de onde começaram a tirar o alimento. Ninguém mais na comunidade passava fome. E os que chegavam para visita, famintos, eram recebidos com um prato de sopa quentinha, feita pela comunidade, com as verduras frescas colhidas na horta.

Ah! Que beleza! Foi minha frase ao conhecer a horta comunitária, linda, bem cuidada, desabrochando igual ao jardim que circundava as casas.

Desejei estar vivo para participar de bela e amorosa comunidade. Não me lembro dos vizinhos que compartilhavam a mesma rua comigo. Só de um bêbado que gritava, algumas noites, abaixo de minha janela, e tudo que conseguia fazer por ele era banhá-lo com agua fria, lançada janela abaixo.

Não vi nenhum bêbado na comunidade, porém soube por Rute, quando desdobrada, que era fato comum, algum tempo atrás. Acolhidos e ouvidos, decidiram deixar a bebida e reunir-se ao grupo.

Envergonhei-me. Tive vontade de desparecer. Ela percebendo, pegou-me pela mão e disse:

- Este foi o seu passado, assim, como foi o nosso. Hoje, porém, semelhante a nós, está diferente, pois se deixou tocar pelos ensinamentos do Cristo.

Lendo meus pensamentos, respondeu-me com carinho e incentivo.

- Não pense nas outras vidas, pois não sabe, também, como foi a minha. Cada um de nós, espíritos, tem seu tempo, sua hora de transformação íntima. Quando abandonamos o que não nos faz bem, pelo que nos faz melhor, melhores humanos, melhores espíritos e, a partir daí, não paramos mais, indo em busca  de ser cada vez mais semelhantes a Deus, nosso Pai.

Abracei-a e chorei. Um alívio no peito, uma coragem súbita, uma compreensão amorosa me tomou, tornando-me um pouco melhor a partir daquele dia.

Um abraço amigo, acolhedor e de incentivo, encorajando-os a reforma íntima tão necessária, na verdade, caminho que nos leva ao adiantamento.

Gregório

25.04.12

Facebook Twitter More...