CRIANÇA OBSIDIANDO CRIANÇA

20/01/2012 10:50

 

O Momento de Luz traz uma história que demonstra o quanto estamos conectados um no outro e o quanto o já vivido ainda está presente em todos nós.

Reflitamos sobre a benção do esquecimento, a benção que possibilita o nascimento do perdão.

Sigamos o nosso caminho a perdoar e continuemos aprendendo com a vida.

Muita luz para todos nós.

 

CRIANÇA OBSIDIANDO CRIANÇA

 

Era uma senhora que me procurava para se informar sobre acontecimentos com sua filha, (criança de 5 a 6 anos). Eu a conhecia, ela sabia que eu trabalhava num centro espirita. Narrava que sua criança, de vez em quando, prometia que se mataria; que se jogaria da sacada de sua casa de dois andares, outras vezes que se cortaria com uma faca.

 

O psicólogo não encontrava nenhuma anormalidade nesta criança, pelo menos não lhe parecia que fosse um estado permanente de desequilíbrio, portanto era algo esporádico que não podia detectar.

 

Fizemos, como de costume, uma ficha com os dados dos pais e da criança e levamos para a observação de um médium, para que este tentasse captar algum sentimento da situação psicosférica da menina, que pudesse estar influenciando seu psiquismo.

 

Chegou, através da médium, uma criança revoltada. Declinou seu nome, nos disse que mataria “a criança encarnada”, pois eram velhos amigos de outras datas e que ele estaria na frente para nascer, ela o atravessou, “segundo suas palavras”, se jogou na frente, tirando-lhe a vez.

 

 Conversamos longamente, com o espirito de aspecto infantil, de como estava perdendo tempo e que poderia usar este tempo para se preparar para vir quando tivesse condições para tanto, de maneira planejada, já que, ao que parece, a outra criança o fizera à revelia, se é que isto pode ser feito. 

 

Neste momento, chega através de outra médium, outra criança que, falando-lhe de modo característico, o convida a ir com ele. Pede para que não seja bobo, que no lugar em que ela está é mais fácil para ele se preparar e ter essa oportunidade. Consegue convence-lo, termina o 1º  ato.

 

Passa-se uns dois anos, esta mãe fica gravida e, no devido tempo, nasce um menino que cresce amado por todos, em especial por sua irmã, que tudo fazia para acalentá-lo. Quando fazia uns 4 a 5 anos, esta criança vira para sua querida irmã e sem mais nem menos disse, de maneira natural e como se fosse algo corriqueiro: “eu queria te matar porque você veio na frente e era minha vez”.

 

A mãe me procurou assustada, pois jamais havia comentado essa tendência suicida da irmã, nem sequer o associava ao que havia acontecido. Por nossa parte, ela jamais soube do que ocorrera na reunião mediúnica, exceto que a filha tinha melhorado depois do tratamento a distancia efetuado por nosso grupo.  

 

Foi devidamente acalmada: que não ligasse para o que a criança havia dito, já que criança fala o que vem na cabeça. Sei que não a convenci por completo, mas eu não poderia declinar toda a história e arriscar algum tipo de medo ou preconceito para com o menino.

 

Hoje, eles têm um convívio normal, acho que tudo foi esquecido, graças a Deus foi apenas uma lição para todos nós que lidamos com as criaturas dos dois lados da vida.  

 

Alguns livros explicam que: a maioria dos reencarnes se dão depois de preparo apropriado em instâncias superiores da espiritualidade, em acordo com o espirito reencarnante.

 

A alguns espíritos é imposta a reencarnação por não terem os espíritos condições de discernir. Outros o fazem impiricamente, porque surge a oportunidade e o fazem à revelia. 

 

ACA 2006

Facebook Twitter More...