POR DETRÁS DAS MONTANHAS

02/12/2011 05:02

 

Ao retorno do Parque  Aconcagua, em Mendoza, Argentina, visualizei um grupo de espíritos vestidos de branco que transmitiam bondade e leveza. Viviam por detrás das montanhas.

 

Por um pequeno intervalo de tempo, tive a felicidade de conhecê-los e auxiliá-los no desenvolvimento de dois atendimentos.

 

Cheia de questionamentos, pedi ao grupo para que, se possível, nos falasse sobre aquele  espaço localizado em um lugar tão distante, que encantava por sua beleza e grandiosidade e que parecia, ao mesmo tempo, tão inóspito.

 

 No dia 29.11, recebi a mensagem que transcrevo abaixo.

 

Agradeço ao amigo, por ter atendido ao meu pedido e por ter compartilhado conosco suas experiências.

 

Boa reflexão!

Andréa

 

POR DETRÁS DAS MONTANHAS

 

 

 

Meu nome é Zacarias. Vivo aqui há muito tempo. A mim foi concedida a permissão de ficar perto dos meus. Foi-me entregue a responsabilidade de acolher os que falecem. Atendo-os de imediato. A morte por aqui é muito dolorosa. A dor que o frio causa, a desolação de saber que a morte está para chegar, não existe esperança.

 

Muitos não suportam a dor e o mal estar e desmaiam. Ficam pendurados, aguardando o descanso que merecem após o esforço de lutarem pela vida.

 

O acolhimento se faz à medida que seus corpos vão se entorpecendo e o nível de consciência vai se transmutando para a nova realidade. São levados às enfermarias de nosso hospital e lá permanecem até se recuperarem.

 

A consciência da vida após a morte é a mais difícil. Muitos voltam ao descanso depois do choque de se reconhecerem vivos. São acompanhados e evoluem no tratamento de acordo com seus merecimentos. Alguns não podemos ajudar, porque ficam presos à dor que tiveram em vida e por ali ficam por muito tempo. Porém, não os abandonamos à própria sorte. Ficamos ao lado deles, envolvendo-os em energias curativas até que estejam preparados para serem resgatados.

 

Às vezes é muito tempo de espera, o que nos aperta o coração. Porém, mantemo-nos afastados o necessário para que o crescimento aconteça, e comemoramos a vinda quando cada um destes irmãos vem ao nosso encontro.

 

Não somos uma equipe grande. Mas, quando necessário, outros se juntam a nós para ajudar-nos. Por algumas vezes, temos grandes resgates. Não compreendia esta fascinação de viver o perigo e arriscar perder a vida até lembrar-me que fiz o mesmo.

 

Fui um alpinista famoso que venceu corridas no gelo e quebrou recordes. O desafio era a minha vida. Não conquistei outros recursos, somente o prazer de enfrentar a natureza, desafiá-la e vencê-la. Até que não pude deter a sua fúria. Assim, amanheci, um dia, nas instalações de nosso hospital, acreditando que a natureza enfurecida havia me derrotado, me destruído.

 

Somente anos depois percebi que ela me salvara da minha inutilidade,  então cresci.

 

A vida aqui é uma benção de Deus. Temos tudo que precisamos para ser felizes. Sempre vivi no mínimo, como contei. Mas aqui o simples se faz mais do que necessário.

 

Faço parte de um grupo pequeno e amigo, que se respeita e se auxilia quando necessário. Que aprende junto, evoluindo rumo à alegria eterna de viver conforme as Leis do Pai. A maioria veio para cá pelo mesmo motivo, pelo mesmo meio. E assim, avançamos juntos.

 

Mas não somos a única equipe que trabalha por aqui. Outras atividades são desenvolvidas por grupos mais avançados do que nós.

 

Pela beleza e grandiosidade, este lugar tornou-se refúgio de almas que precisam de tempo para se reintegrarem à vida.

 

Muitos chegam animalizados e desconhecem sua condição de seres humanos. Chegam fragilizados, pequeninos, enfurecidos. Recorremos ao amor para acolhê-los e orientá-los.

 

É um lindo e difícil trabalho desenvolvido por nossos companheiros que dedicam a vida a estes pequeninos do Cristo. Por muitas vezes nos oferecemos para auxiliá-los, mas nem sempre nos é permitido. Chegam em condição energética em nível perigoso para nós, que não estamos ainda preparados para enfrentá-las, podendo levar-nos ao adoecimento.

 

Então nos reunimos e rezamos, juntos, pedindo o auxílio de Deus.

 

E assim a vida vai seguindo entre estudo, trabalho, crescimento, descanso. São inúmeras as alegrias que vivemos por aqui, apesar de ser um posto de socorro. Falo isso para que não penses que a vida após a morte resume-se à  dor, ao sacrifico e ao trabalho.

 

Desfrutamos da alegria de estar junto dos que amamos, compartilhando momentos de renovação, conhecimentos e entrega ao amor. Os prazeres por aqui são diferente, mais puros. Porém, mais intensos. E a vida corre de uma maneira que jamais conheci. Jamais fui tão feliz.

 

Orai por nós e por nosso crescimento, e pelo trabalho que desenvolvemos. Todo o amor que nos chega nos auxilia a seguir em frente rumo a Deus.

 

Que estejam bem.

 

Que fiquem em paz e que o Senhor vosso Deus vos abençoe sempre.

 

Msg recebida em 29.11.11

Facebook Twitter More...