VIVÊNCIAS MEDIÚNICAS (80)

29/02/2012 23:35

 

Na Vivência Mediúnica de hoje temos impressionante relato de uma zona de acolhimento, em área umbralina.

Cumpre confiarmos na providência divina que, como visto no relato, não nos abandona, principalmente nas situações mais difíceis.

Todo o relato demonstra verdadeiro exemplo de amor pelo outro, cabendo a reflexão dos acolhimentos que poderemos efetuar, ainda, nesta existência.

Com histórias como essas temos a certeza que não há fim do mundo, mas sim transição do ser e, consequentemente, do planeta.

Muita paz para todos.

 

VIVÊNCIAS MEDIÚNICAS (80)

 

Partilho com vocês o trabalho no desdobramento do sono.

De início, relato o ambiente peculiar, numa área de transição entre a instituição espiritual que trabalho e o local de onde foram deslocados os irmãos em estado de zooantropia numa zona umbralina muito densa.

 

Estávamos numa espécie de área descampada, do tamanho de uns 2 ou 3 campos de futebol, isolada por barreiras magnéticas do entorno. Podia visualizar, de longe, as luzes da Casa Espiritual um pouco acima e, em um dos lados, uma espécie de floresta densa de mata escura e enevoada. Próximo ao extremo oposto à nossa "entrada", havia uma área circular no chão, como que "pavimentado" de material acinzentado diferente, semelhante à um local de pouso.

A vista do espaço alimentava o nosso animo com um magnífico céu estrelado, além da visão esporádica de veículos de transporte aéreo, a cruzar, de longe, a noite.

 

Era como um acampamento transitório, com estruturas construídas, como barracas de material leve, brilho discreto e algumas semitransparentes. Havia outras maiores, semelhantes a grandes "estufas", que eram as enfermarias, onde ficavam as fileiras de "macas encapsuladas" para os irmãozinhos, com vários equipamentos, muitos ainda "desconhecidos" para nós.

 

A movimentação era grande, mas todos se deslocavam ordenada e silenciosamente.

Estava com alguns companheiros encarnados conhecidos, mas com a sensação de que conhecia muitos outros de atividades semelhantes, porém não os conheço com a consciência de vigília. Sabia participar de uma equipe que já realizava tarefas semelhantes e tínhamos sido treinados anteriormente.

Organizados em pequenos grupos, de 10 a 12 pessoas, de ambos os sexos, éramos supervisionados diretamente por um trabalhador espiritual, que por sua vez pertencia à um grupo especializado em determinados serviços.

Tudo muito organizado e com a calma possível para manter o cronograma em ordem, pois atrasos maiores iriam comprometer a escala dos trabalhadores que se revezavam na jornada.

 

Estava numa equipe que auxiliava o transporte dos irmãos até as "barracas" de triagem e, após uma avaliação inicial com os espíritos médicos e mentores, até a enfermaria adequada. Cada caso era avaliado particularmente e depois eram agrupados por tempo possível de permanência e destino posterior.

O orientador do grupo nos informou que, devido à grande diferença de densidade vibratória, este local foi montado como uma zona de transição e triagem, para durar de algumas semanas a dois ou três meses.

Esclareceu que, como os corpos perispirituais se encontravam com muitas lesões, precisavam adaptar-se às condições físico-energéticas diferentes, incluindo aí forças atmosféricas e gravitacionais. Além disso, a introdução de fonte diversa de energia alimentar demanda de algum tempo.

 

No transporte das "macas flutuantes" até as enfermarias, observei algumas diferenças na estrutura, equipamentos e nos trabalhadores encarregados.

Estive em duas enfermarias.

Uma para espíritos que seriam levados a hospitais espirituais, incluindo a nossa Casa de Caridade.

Em outra enfermaria, com a presença de trabalhadores espirituais de outras orbes, ficavam os espíritos que seriam levados para outros mundos, pois não seria mais possível encarnarem neste planeta. Muitos espíritos seriam transportados com brevidade para locais mais adequados ao seu desenvolvimento.

O nosso grupo foi informado que, devido à atual transição no orbe planetário, houve intensificação desse trabalho.

 

O amigo e mestre A.M. esclareceu-me que o alinhamento cósmico leva a mudanças no eixo do planeta, alterações geomagnéticas e deslocamento de placas tectônicas, com consequente mobilização de zonas umbralinas densas e abissais, onde, ainda, muitos espíritos habitam.

 

Encerro com algumas palavras do espírito A.M, que pude reter na memória:

"O reajuste necessário está a ocorrer em passos largos. A humanidade está hoje a conviver simultaneamente com os espíritos mais desenvolvidos no seu plano e os mais retrógrados.

A assistência tem sido ininterrupta. Amigos de diversas outras orbes estão aqui a colaborar e também a aprender com esse momento de transição e regeneração.

Orai e Vigiai. Confiem no Pai Maior, e tenham como aliados os instrumentos que ELE nos forneceu: o pensamento reflexivo alinhado ao coração.

Vocês vão resignificar o que chamam de Amor, esta é a grande transição."

Muita PAZ para todos nós.

Francesca Freitas

27-02-2012

Facebook Twitter More...